Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos!

Segunda-feira de manhã toca o despertador e a partir daquele momento o seu desgosto começa. Você não aguenta mais ter que levantar da cama e ir trabalhar.

Você não tem vontade, motivação, disposição e energia para desempenhar a sua função, mas ao mesmo tempo é obrigado porque você se vê em um beco sem saída.

Ou você continua sendo obrigado a trabalhar no local que trabalha, mesmo detestando o que faz, ou larga o seu emprego e não consegue mais sobreviver.

Você não está sozinho, grande parte dos brasileiros também estão insatisfeitos com a profissão:

  • Uma pesquisa feita pela Isma Brasil em 2015 mostrou que 72% das pessoas estavam insatisfeitas com o trabalho.
  • Já outra pesquisa, feita pelo IBGE em 2017, apontou que 56% dos trabalhadores formais sentiam insatisfação no trabalho.
  • Em 2018 o IBGE realizou mais uma pesquisa e constatou que 40% dos brasileiros estavam infelizes com a profissão.

Ué, por esses dados, será que a cada ano a insatisfação no trabalho vem diminuindo?

Não se engane.

Eu acredito que cada vez mais os trabalhadores formais estão insatisfeitos.

Olhe ao seu redor. Quantas pessoas que você conhece estão felizes com o trabalho? Olhe para si mesmo. Você está feliz?

Quando a insatisfação no trabalho é muito grande, a ponto de você apenas pensar no seu trabalho e ficar triste, é preciso mudar, senão você continuará para sempre infeliz.

Grande insatisfação no trabalho, o que fazer nesta situação? Complicado? É uma situação que precisa ser resolvida, não é mesmo?

Por isso eu vou apresentar para você as suas possibilidades para sair dessa enrascada o quanto antes.

ATENÇÃO
Antes de continuar a sua leitura você pode baixar gratuitamente o meu novo livro digital As 7 Poderosas Crenças Para Viver Uma Vida Sem Limites clicando aqui.

Sintomas da Insatisfação no Trabalho

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 1

Antes de tudo, é preciso saber mesmo se você está sentindo insatisfação no trabalho ou se você acredita que está sentindo.

Porque um fato é que não há como fazer tudo o que você gosta, em todos os momentos que você estiver trabalhando. É preciso gostar do que se faz, mas pensar que em 100% do tempo você vai fazer somente o que gosta, é uma ilusão.

Esteja ciente de que, em muitos momentos, você será obrigado a fazer o que não gosta. Isso é normal.

Eu amo o meu trabalho, mas muitas vezes eu preciso fazer atividades pelas quais não tenho prazer. E está tudo bem.

Por outro lado, quando você realmente está insatisfeito, alguns sintomas sutis surgem silenciosamente. Como, por exemplo:

  • Temer a segunda-feira: durante o final de semana você já fica pensando em como a segunda-feira será horrível?
  • Baixa produtividade: você está indiferente, faz o mínimo esforço possível para trabalhar e leva uma hora para realizar tarefas que anteriormente fazia em 5 minutos?
  • Fácil distração: você está cada vez mais distraído e se distraindo no trabalho por qualquer coisa? O seu foco praticamente não existe?
  •  Tédio insuportável: cada vez mais o tédio invade o seu corpo durante o expediente e constantemente você se pega fazendo atividades para matar o tédio?
  • Assuntos pessoais: cuidar dos assuntos da sua vida particular durante o trabalho se tornou uma regra na sua vida?
  • Alta irritabilidade: quando está trabalhando você se irrita facilmente, até mesmo com colegas ou clientes?
  • Faltas propositais: você faz de tudo para conseguir faltar no trabalho e sente uma grande alegria quando consegue ficar em casa?
  • Grande procrastinação: você vem adiando com grande frequência as suas principais tarefas para amanhã ou para o mês que vem?
  • Entrada e saída: você começou a ignorar o horário de entrada e saída do trabalho, está chegando cada vez mais tarde e saindo cada vez mais cedo?

Você percebe que muitas das situações abordadas acima se encaixam na sua situação?

Em caso afirmativo, então realmente é preciso tomar atitudes a respeito. Porque existem muitas consequências da insatisfação no trabalho.

Além do estresse, da infelicidade, tristeza e insatisfação, você perde o senso de realização, o que é fundamental para todo ser humano.

Como Lidar Com a Insatisfação Profissional

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 3

Existem algumas possibilidades para que você lide com a sua insatisfação na carreira profissional.

Mas antes você precisa responder uma pergunta. Como sempre, a resposta que contém a solução já está dentro de você, só é preciso se fazer a pergunta certa.

Então você deve se perguntar o seguinte:

O que causa insatisfação no trabalho?

É fundamental que você se faça essa pergunta porque o que gera insatisfação no trabalho pode ser o próprio trabalho em si, ou não. E você não pode confundir essas duas coisas.

Então a insatisfação é no trabalho propriamente dito, você não aguenta mais desempenhar a exata função que desempenha, ou a insatisfação está no seu ambiente de trabalho?

Você realmente não gosta do que faz ou o ambiente onde você faz não o favorece?

Analise os 2 casos a seguir:

  1. Você senta para trabalhar e só tem vontade de ir embora porque desempenha uma função que, além de não ser prazerosa, gera infelicidade? Você não se encontra no seu trabalho, não se sente realizado?
  2. As pessoas não são agradáveis, o seu chefe é um pé no saco, você é cobrado demais, obrigado a realizar muitas tarefas e ao mesmo tempo não é reconhecido e ganha pouco?

É muito importante diferenciar os 2 casos.

Você disse “sim” para qual das duas perguntas?

Estou Insatisfeito Com
o Ambiente de Trabalho

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 5

Quando a insatisfação é no seu ambiente de trabalho, você tem a opção de mudar de ambiente, quer dizer, continuar a trabalhar na mesma profissão, mas mudar de emprego.

Se for hora de mudar, posteriormente eu vou falar sobre 2 tipos de mudanças que você pode seguir.

Mas antes, também é possível mudar o ambiente conversando com as pessoas e com o seu chefe para que todos possam encontrar juntos uma solução benéfica.

Para conversar com o seu chefe, siga algumas orientações fundamentais:

  • Planeje uma reunião com o seu chefe.
  • Reflita bastante a respeito do que você vai falar.
  • Seja sincero e conte o motivo real da sua colocação.
  • Prepare-se antecipadamente para questionamentos por parte do chefe.
  • Apresente uma solução concreta e mutuamente benéfica.
  • Peça ajuda e conselhos ao seu chefe.
  • Treine a conversa sozinho, na frente do espelho.

Estou Insatisfeito Com o Trabalho

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 7

Por outro lado, se você disse que está insatisfeito com o seu trabalho, a história é outra.

Quando a insatisfação é com o trabalho em si, isto é, você não se enxerga na sua profissão, você não é feliz fazendo o que faz.

Como diz Mario Sergio Cortella, no livro Por Que Fazemos o Que Fazemos:

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 9

Desde a Revolução Industrial, o mundo do trabalho ficou extremamente marcado pela máquina, reforçando inclusive a noção de trabalho alienado. O automatismo, esse modo automático de ação, em grande medida, tem como consequência a alienação da execução. Uma pessoa alienada é alheia a algo. A intencionalidade dela não está naquilo que faz, ela não tem consciência direta do que produz, está fazendo algo automaticamente. Nesse sentido, o trabalho feito de modo robótico é algo que, durante o século XX, foi decisivo para a alteração do mecanismo de produção. O taylorismo ou fordismo, em grande medida, acabou gerando a perda da inovação, da criatividade, o que, num mundo tecnológico, é uma coisa negativa. Por isso, se o próprio indivíduo fizer as coisas de modo automático, robótico, isso levará a um processo de alienação, isto é, de perda de si mesmo. Portanto, algo muito forte da natureza do trabalho se perde, a natureza autoral, a sensação de “eu sou o realizador daquilo”. Fazê-lo de modo automático é tirar de mim a dimensão realizadora. Nessa hora, eu me desumanizo, isto é, me aproximo do mundo das máquinas.

Nesse caso, é preciso mudar de área profissional. Mas como mudar?

Para mudar, é preciso responder outra pergunta:

Como é possível mudar?

Como que você pode mudar?

Como é possível que você mude de ramo de atuação? Existe emprego em outra empresa/área para você? Você já tem qualificação para mudar imediatamente?

Ou ainda, você pode criar um negócio de modo que trabalhe fazendo aquilo que gera realização?

Como?

Enfim, o que você deve fazer e como vai realizar a mudança?

Os 2 Caminhos da Mudança

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 11

A escolha de realizar aquilo que faz você se sentir realizado exige coragem e aceitação das consequências de curto, médio e longo prazo.

Nesse processo, você pode sentir medo. Mas o medo não pode paralisá-lo. Quando você sentir medo, preste atenção no medo, observe o medo.

No fundo, você tem medo de quê?

Encare e siga em frente apesar do medo. Quem realizou sentiu medo. Sentiu, mas seguiu o íntimo sentimento que brota do peito, a voz interior que diz:

Não vá mais por aqui, siga o seu caminho, aquilo que você ama fazer.

Quando você percebe que está em uma carreira na qual não sente tesão, não sente alegria, e vive buscando realizações e prazeres fora do trabalho, muito provavelmente você não consegue mudar por causa do medo, o medo do “e se”.

…E se acontecer isso, e se acontecer aquilo…

O medo sempre vai existir, mas a mudança precisa ocorrer, caso contrário você vai continuar infeliz e esse sentimento tenderá a piorar a cada dia mais.

Você tem mais medo de mudar ou de continuar infeliz pelo resto da vida?

Existem basicamente 2 caminhos para que você mude, e isso depende da sua situação atual e específica de vida.

1º Caminho

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 13

O primeiro caminho que você pode tomar é o caminho em que você queima as pontes, ou seja, você vai com tudo e com todas as forças. Você pede demissão hoje do seu emprego e amanhã começa a dar início a sua nova vida.

Mas é preciso tomar cuidado neste caminho.

Apenas queime as pontes, caso você:

  • Saiba claramente qual é a profissão que vai torná-lo realizado.
  • Estiver ciente dos riscos e consequências provenientes desta atitude.
  • Tiver um plano de ação estratégico claramente definido.
  • Possuir dinheiro suficiente para se manter por um período considerável sem gerar renda.

2º Caminho

Insatisfação no Trabalho, o Que Fazer? Você Tem 2 Caminhos! 15

O segundo caminho é realizar uma mudança lenta, gradual e segura. Este é o caminho mais adequado para a maioria das pessoas.

Porque a maioria das pessoas sabem que não fazem o que gostam, mas também sabem que no momento atual, caso larguem o emprego, enfrentarão dificuldades financeiras.

Se você estiver nessa situação, mude de modo gradual e com segurança.  

Por exemplo, se você quer mudar de empresa, não peça demissão do seu emprego atual antes de conseguir outro emprego.

Ou talvez, para que você consiga mudar, precisará fazer um curso de especialização. Então você faz o curso enquanto ainda se mantém no emprego atual.

Se você quiser largar o seu emprego para empreender, inicie um negócio paralelamente ao seu trabalho atual, até que você se senta confortável e tenha condições financeiras para abandonar o trabalho que o sustenta.

Para chegar ao reino da liberdade, é preciso vencer o reino da necessidade.

Não há como entrar diretamente no reino da liberdade, trabalhando com o que você quer trabalhar, caso você não tenha as condições mínimas para suprir as suas necessidades, por isso a mudança lenta, gradual e segura.

E se o seu caso for o da mudança lenta, gradual e segura, assuma a responsabilidade por de fato passar por esse caminho.

Tudo tem um preço a ser pago.

A mudança exige esforço e paciência, é preciso aguardar o tempo que for necessário. Não existe imediatismo para ter sucesso, em nenhuma trajetória, nem quando você queima as pontes nem quando caminha gradualmente.

Então é preciso aceitar o compromisso de caminhar até chegar lá.

Porque primeiro você planta. Não há como colher sem plantar. Nada acontece da noite para o dia. Se você não estiver disposto a pagar o preço, provavelmente vai trabalhar pelo resto da vida se sentindo insatisfeito.

E um grande conselho de Mario Sergio Cortella para que você consiga tornar a jornada mais fácil, é o seguinte:

Quem começa o dia de trabalho com um nível de tristeza precisa reinventar as razões pelas quais faz aquilo que faz. Isto é, qual é o seu propósito? Se esse propósito for tão somente ganhar dinheiro, então, não sofra. É para isso. Pronto.

Encontre o seu propósito por trás do seu trabalho e crie algo visual, uma imagem, por exemplo, para que você possa olhar todos os dias para a imagem e ganhar forças.

Você pode não gostar do que faz agora, mas você já parou para pensar o porquê faz?

Talvez seja para que você consiga sustentar o seu filho e fazer com que ele tenha uma grande vida, permitir que ele tenha possibilidades.

Então você cola uma foto do seu filho no seu trabalho e sempre que se sentir fraco, sem forças, desanimado, você olha para aquela foto e lembra do seu propósito.

Você se apega ao seu propósito, e tira motivação dele, enquanto prepara a base da mudança lenta, gradual e segura.

Conclusão

Sentir insatisfação com o trabalho não é um “privilégio” seu, milhões de pessoas todos os dias vão trabalhar sem vontade e motivação.

Apesar disso, é possível mudar e realmente sentir satisfação na sua vida profissional.

Primeiramente é preciso entender onde se encontra a sua insatisfação. É no trabalho em si ou no ambiente de trabalho?

Depois disso, existem 2 caminhos que podem ser seguidos: queimar as pontes ou mudar de maneira lenta, gradativa e segura.

Para mudar é preciso ter coragem. A decisão depende de você, dos seus desejos, da sua situação atual, da sua capacidade de suprir as suas necessidades e de como você reage aos acontecimentos.

Avalie a si mesmo e decida. Corra riscos calculados e planejados.

Qual é o risco de cada trajetória?

A partir dessa resposta você toma um dos 2 caminhos.

Qualquer uma das ações terá consequências, por isso avalie as consequências e esteja pronto para bater no peito e assumir a responsabilidade por elas.

O mais importante de tudo, independentemente de qual decisão você tome, é ser fiel a si mesmo. Defina a si próprio e nunca deixe que os outros definam a sua vida.

Viva com propósito e faça o que você gosta de fazer, não interessa quanto tempo vai levar. Porque só há duas opções na vida profissional: ser feliz ou ser infeliz.

O que você escolhe?

E por último, se você quer aprender a aumentar a sua satisfação na vida se tornando um realizador de sonhos, clique aqui e conheça o meu treinamento de desenvolvimento pessoal.

Garanta agora seu livro grátis para descobrir e copiar as 7 crenças que todas as pessoas de sucesso cultivam.

Sobre o autor

Rafael da Luz

Não existem limites, existe conhecimento. Você se torna capaz de alcançar qualquer sonho na vida quando aprende a se desenvolver como ser humano. O desenvolvimento pessoal é o caminho para que você realize tudo o que mais deseja na vida. Por isso, engrandeça.

Adicione um comentário

Compartilhar
Twittar
WhatsApp
Pocket