Resumo do Livro O Ciclo da Autossabotagem (Stanley Rosner e Patricia Hermes)

Resumo do Livro O Ciclo da Autossabotagem (Stanley Rosner e Patricia Hermes) 1

Por que nós repetimos atitudes que geram sofrimento e acabam com os nossos relacionamentos?

O psicólogo Stanley Rosner e a escrita Patricia Hermes mostram como eventos traumáticos, como a separação dos pais na infância ou o término conturbado de um relacionamento, acabam criando dilemas inconscientes que fazem nós agirmos contra nós mesmos.

Esse processo gera um ciclo de autodestruição que afeta todas as nossas relações, profissionais e pessoais, pelo resto de nossas vidas.

Por isso, Stanley Rosner e Patricia Hermes apontam quais são as causas profundas da autossabotagem e como podemos superá-la: vencendo traumas passados e procurando por novos caminhos.

Se você quiser aprender como vencer este ciclo autodestrutivo, continue a leitura do resumo do livro O Ciclo da Autossabotagem.

ATENÇÃO
Antes de continuar a sua leitura você pode baixar gratuitamente o meu novo livro digital As 7 Poderosas Crenças Para Viver Uma Vida Sem Limites clicando aqui.

Repetição de Comportamentos de Identificação Primária: Conformidade Versus Autonomia

Não são todas as pessoas que alcançam todo o sucesso que desejam na vida. Muitos não conseguem enfrentar aventuras e desafios, tornando-se incapazes até de imaginar uma vida além da que vivem, muito limitada.

Essas pessoas se baseiam fortemente na crença de que devem seguir os passos de outros, frequentemente seus pais. A limitação dos pais é chamada de “identificação arcaica”.

Muitas pessoas repetem comportamentos irracionais dos pais, mesmo que isso as leve ao fracasso.

Para essas pessoas, essa é a única maneira correta de agir. Mas é possível ir além e não viver apenas um replay da vida dos pais.

Repetição no Casamento: Contratos Não Escritos e Comportamentos Complementares

Todos casam porque precisam compartilhar o amor com outra pessoa. Mas, em muitos casos, o que chamamos de amor não tem relação com o casamento.

Geralmente, o amor e o casamento geram uma expectativa inconsciente de que a outra pessoa suprirá nossas necessidades que não foram atendidas, e até gerar uma sensação de completude – uma espécie de contrato não escrito.

O fracasso no casamento é gerado pelas expectativas irreais e distorcidas de um ou dos dois parceiros, que são completamente inconscientes.

Essas expectativas são expressas no ciclo de repetição do casamento. Por exemplo, existem aqueles que cresceram em ambientes desajustados e por isso buscam inconscientemente no casamento a estabilidade que não tiveram na infância.

A repetição das experiências traumáticas é fundamentada antes em comportamentos manifestos do que na lembrança dos eventos traumáticos e dos sentimentos que vêm junto.

Repetição Dos Comportamentos na Criação Dos Filhos

Criar os filhos de forma saudável é fundamental para que eles se tornem emocionalmente saudáveis. Porém, isso é difícil de alcançar e até de definir.

É difícil saber o que é saudável e bom para as crianças.

Muitos pais cresceram em ambientes intolerantes e sem harmonia. Outros foram educados com muita compreensão e empatia.

Será que todos podem se transformar em pais saudáveis?

Alguns pais podem ser mais liberais, porque se baseiam no desejo de verem os filhos se transformarem em adultos confiantes e independentes, e assim podem ter dificuldades em estabelecer limites.

Outros pais podem impor limites demais, tornando-se superprotetores, o que impede os filhos de se desenvolverem plenamente.

Ao invés de encarar os cenários como bons ou maus, certos ou errados, é preciso encará-los como um reflexo da maneira que os pais foram criados.

Toda criação é uma herança de bagagem cultural que foi adquirida pelos pais há décadas e décadas.

Os Filhos do Divórcio

Todos os filhos querem que os pais vivam em harmonia. Eles precisam ser acolhidos dentro de uma família, qualquer que seja a forma dessa família.

Mas, infelizmente, muitas vezes os casais se divorciam, o que não é nada bom para as crianças.

Existem estudos que apontam que filhos de pais divorciados têm mais dificuldade no amor, na vida íntima e no comprometimento no casamento.

Isso tudo pode influenciar, no futuro, quando eles próprios forem criar seus filhos.

Repetição de Comportamentos Punitivos: Salvamento e Penitência

É normal as crianças acreditarem que o mundo gira em torno delas.

Com um crescimento normal, essa percepção logo vai embora. Mas alguns pais colocam os filhos no centro de tudo, inclusive de seus conflitos.

O problema é que, dessa forma, muitas crianças desenvolvem um grande sendo de responsabilidade, culpa e de recriminação a si mesmas.

De herança, elas recebem uma consciência punitiva e severa, além de falta de confiança e dúvidas em relação a si mesmas.

Sendo assim, quando algo vai mal com seus pais ou família, elas acreditam que a culpa é delas, além de que precisam corrigir os erros e consertar o estrago.

A consequência é que as chances da pessoa se sentir culpada, quando adulta, pelos problemas do mundo, são muito grandes, o que reflete em todos os ambientes que a pessoa vive.

Repetição de Comportamentos no Trabalho

As crianças sempre ponderam sobre o que se tornarão quando crescerem. Elas copiarão os pais ou rejeitarão suas escolhas, e poderão mudar de ideia milhares de vezes.

É daí que surge a percepção do trabalho como uma realização pessoal ou somente um meio de ganhar a vida.

Todos os sonhos e metas que nos movem surgem daí, da visão desde cedo de como deve-se relacionar com o lugar no qual passaremos grande parte de nossa vida.

Repetição de Comportamentos Nos Vícios

Os vícios que podemos ter vão desde drogas até a compulsão por jogos e comida.

É possível entender os vícios a partir de uma lógica perversa de repetição de comportamentos que levam tantas pessoas a se sujarem na lama de costumes que nos escravizam.

Dependência Química

O abuso de substâncias químicas está presente em qualquer discussão a respeito de ciclos de autossabotagem.

Em alguns casos o fundamento principal é fisiológico, em outros, psicológico. Mas, independentemente do fator causal, existem fatores psicofisiológicos que atuam em conjunto quando existe dependência química.

Analisando o histórico de dependentes químicos, é muito comum ouvir relatos de traumas ou outros desacertos que ocorrem durante o desenvolvimento das pessoas, que desencadearam o vício.

Dependência em Jogos de Azar, Sexo e Comida

Não são raros os casos em que a dependência em jogos de azar, sexo e comida estejam ligados com problemas de aceitação da própria imagem desde cedo.

Ou ainda, relacionados com traumas de comportamentos relacionados a isso desde a infância, escola ou ambientes de trabalho conturbados.

A Compulsão à Repetição

É relativamente fácil percebermos quando as outras pessoas estão presas em comportamentos destrutivos que são repetitivos.

Porém, ficamos cegos aos nossos próprios padrões de repetição, que estão profundamente enraizados.

Isso ocorre porque a compulsão à repetição tem uma série de características, sendo que a mais importante delas é que as pessoas que a apresentam têm pouquíssimo ou nenhum discernimento do que está gerando as dificuldades.

Para quem está preso nessa compulsão, até o princípio do prazer é subvertido pela necessidade da repetição.

Ao lado da compulsão à repetição existe uma grande ansiedade, o medo de que o pior aconteça e um círculo vicioso que impede a pessoa compulsiva de se livrar desses males.

Como Reconhecer e Solucionar Repetições de Comportamentos de Autossabotagem

Compreender o que significa um trauma e a repressão associada a ele é crucial para entender o conceito de compulsão à repetição.

O trauma, da maneira que está sendo empregada aqui, surge de uma experiência seletiva e pessoal que choca e aterroriza, arruinando gradativamente a suposição de que existe alguma estabilidade no mundo.

Para quem viveu um trauma, existe uma necessidade compulsiva, profunda e inconsciente de dominar aquilo que foi experimentado como uma coisa fora do controle.

Quando não podemos ter o controle, muitas vezes reprimimos ou enterramos as memórias e os sentimentos atrelados ao trauma para que possamos nos proteger de experiências que abalam nosso controle emocional.

Essas experiências foram tão terríveis que não conseguimos mantê-las na consciência.

O problema é que a repressão não enterra só o evento traumático, os sentimentos e as lembranças associadas a ele, mas também os elementos que o acompanham. E aí, todas as memórias e sentimentos estão sujeitos a várias distorções.

Portanto, a chave para se livrar do ciclo da autossabotagem é entender os seus traumas e conseguir se curar deles.

Ter consciência de como você se sabota é o primeiro passo para conseguir mudar os seus comportamentos. É preciso conhecer os seus padrões autossabotadores.

Depois, principalmente através da psicoterapia, você pode se empenhar em reformular as crenças, os valores e os conceitos que desencadeiam o seu trauma.

Resumo do Livro O Ciclo da Autossabotagem

E aí, gostou do resumo do livro O Ciclo da Autossabotagem?

Qual é a sua opinião sobre o livro?

Se você deseja comprar o livro, compre aqui agora.

Se quiser ler o próximo resumo, leia o resumo do livro O Poder da Energia.

P.S.: Para baixar de graça o meu livro digital, As 7 Poderosas Crenças Para Viver Uma Vida Sem Limites, clique aqui agora.

Garanta agora seu livro grátis para descobrir e copiar as 7 crenças que todas as pessoas de sucesso cultivam.

Sobre o autor

Rafael da Luz

Não existem limites, existe conhecimento. Você se torna capaz de alcançar qualquer sonho na vida quando aprende a se desenvolver como ser humano. O desenvolvimento pessoal é o caminho para que você realize tudo o que mais deseja na vida. Por isso, engrandeça.

Adicione um comentário

Compartilhar
WhatsApp